terça-feira, 8 de julho de 2008

Re-construção

Na incerteza súbita da vida, as escolhas que fazemos nem sempre são claras, nem sempre são simples, nem sempre são óbvias.

Há momentos de iluminação, de esclarecimento, de sentido, de ressentido, de esquecimento.

Fracções de uma inteira vida de sentir, de ver, de viver, de amar, e de doer.

E independentemente de todos os desejos, de todas as vontades, de todas as intenções ficam os factos, os acontecimentos, e a história.

E a alegria é a esperança e é celebração de estarmos vivos. Estamos vivos. Somos vivos. Seres vivos. Em vida.

E nessa jornada tantas vezes as escolhas que fazemos entram em conflito com os outros, doem aos outros, estranham aos outros. Mas a nossa vida é nossa.

Resta-nos a responsabilidade e a confiança. Haja luz para iluminar e a coragem de caminhar sempre alegre e de cabeça erguida.