terça-feira, 7 de fevereiro de 2006

Cruzadas do século XXI?

Olho com alguma preocupação para as notícias que têm surgido nos últimos tempos. A forma como os media têm caracterizado os conflitos ocidente-oriente e a forma como os países e, mais em concreto, os indivíduos têm encarado esta problemática.

Em primeiro lugar, tenho de deixar bem claro que, para mim, tanto as caricaturas, que ainda não vi, como os actos de violência consequentes são de extrema gravidade e de igualdade influência nesta tensão crescente.

Tenho lido e visto muitas coisas nos meios de comunicação sobre a problemática, mas preocupa-me sinceramente a forma como as notícias continuam a ser vinculadas. Com apelos mais ou menos subliminares à violência, à raiva, ao ódio e ao separatismo.

Vivemos todos no mesmo planeta. Não tenho dúvidas disso, e julgo que ninguém as terá. No entanto, mesmo vivendo num planeta tão “pequeno” continuamos a julgar, analisar e agir, de acordo apenas com a nossa visão e perspectiva sem perceber uma verdade que parece universal: existem realidades, perspectivas, fés e comportamentos que não entendemos. Que pertencem a outro enquadramento social, cultural, religioso, onde coisas têm pesos diferentes. E sempre foi assim entre cristãos e muçulmanos.

Para os de memória curta, relembro-vos que há alguns anos atrás um programa de Herman José foi retirado do ar porque “brincava” com figuras históricas e religiosas. Alguns anos mais tarde, o cartoon do Papa e do preservativo trouxe ao de cima mais uma polémica. Além disso, por todo o país há histórias de violência associada a questões religiosas. Seremos assim tão diferentes?

Por outro lado, em França, um país ocidental, tivemos demonstrações de como um problema racial pode tomar proporções incontroláveis. Um exemplo de como a autoridade política, policial e até religiosa é incapaz de deter um crescendo de violência. Seremos assim tão diferentes?

Claro que toda a violência é reprovável. Sob qualquer perspectiva, mas por essa mesma razão temos de agir de forma responsável. E quanto mais audiência tiver a nossa mensagem, maior o cuidado que temos de ter. Os media têm então que equacionar essa questão com rigor. Perceber o mundo em que vivemos e a consequência dos actos e das palavras.

Sinto que vivemos numa pré-cruzada. Tenho a clara sensação do rastilho que se encontra acesso. Uma palavra no sítio “certo” poderá atear uma fogueira sem fim.

E não somos melhores ou piores que os muçulmanos. Somos diferentes. Não podemos avaliar, medir ou catalogar as civilizações sobre a nossa bitola. Temos de criar um quadro de valores universal onde possamos medir as sociedades, mas com valores e perspectivas tanto ocidentais como orientais.

Para nós parece ridículo a violência por causa da liberdade de expressão. Para os muçulmanos é inacreditável que a liberdade de expressão ofenda a sua fé e os seus valores.

O pedido que aqui deixo é particularmente dirigido aos meios de comunicação social. Sejam responsáveis. Sejam sérios e ponderados. Nem tudo é justificável para se conseguir audiências ou vendas. Há limites, principalmente se não queremos uma Terceira Guerra Mundial.

Tolerância, respeito e paz.