quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

Família Ramirez

Desde que nasci (não podia ser de outro modo) que pertenço a duas famílias: a do meu pai e a de minha mãe. Curiosamente, isso não poderia implicar diferenças mais profundas.

Hoje, a da minha mãe somos ela e eu (e algum primos afastados), enquanto que a do meu pai, contabilizado neste Natal de 2007, ronda os 140 elementos(há quem diga que éramos 124). São oito filhos, vinte e oito netos e mais tantos bisnetos e todos os cônjuges, companheiros e outros que tais.

Este belo casal são os meus avós paternos: o Mário e a Maria. A ele não o conheci, mas ela foi e sempre será uma fonte de inspiração na minha vida. Força, coragem e persistência.

Sempre receei os Ramirez. Por serem muitos, por serem distantes, por serem abundantes e por serem diferentes. Em proporção inversa ao entusiasmo do meu pai sentia um medo e uma dor sempre que o Natal se aproximava. O que vou dizer? O que me vão perguntar? Mas eu nem sei o nome deles todos.

Agora, mais velho, é diferente. Olho para eles com ternura, nas suas diferenças, nas suas forças e nas suas fragilidades. Aprendi a gostar de estar com eles. Nem que seja brevemente. E fazer disso um elogio aos meus avós queridos. À sua força. E principalmente ao seu AMOR.

Eu já tenho uma família assim, mas também quero que um dia a minha família seja assim.