segunda-feira, 16 de março de 2009

Deus e Corpo

Ando a torturar o meu corpo. Ou pelo menos ele está convencido que é isso que se está a passar. A verdade é que há algumas semanas, apoiado pela S. decidi-me pela actividade física continuada, determinada e regular. Começou como quem não quer a coisa por umas caminhadas reforçadas e agora já anda numa corrida tipo câmara lenta e ultrapassada por pessoas a andar em bom ritmo. Sinto-me alegre, feliz, mais magro, mais leve e mais saudável.

Mas o corpo, com a sua aliada mente, tem tentado boicotar estes procedimentos tão diferentes do que está habituado. Primeiro, dói-me aqui ou ali, depois, começa a torcer aqui, mais tarde são palpitações, cãibras, tendões inflamados, bolhas nos pés, dor de burro e tudo o mais que o corpo se lembre. A mente por seu lado vai dizendo: tu não consegues, tu tas cansado, mas são oito da noite e está tanto frio, porque não vens depois outro dia, o melhor é parar que não consegues mais, isto ainda te faz mais mal que bem, e outras frases igualmente motivadoras e mimosas.

A determinação de continuar é um prazer, e ter alguém que te ensina como é, que partilha o seu conhecimento, que sabe como te dar o suporte e o apoio é maravilhoso e ajuda imenso.

No Domingo lá fomos correr para perto do rio, no meio da multidão domingueira que se passeava com carrinhos, saltos altos, óculos escuros, e umas quantas canas de pesca e desportistas. Já na volta via o Cristo-Rei a olhar para mim, e no meio do meu desespero pelo esforço que já fazia há meia hora pensei assim: “Deus por favor ajuda-me a ter a força para conseguir chegar onde quero.”. Nesse instante ouvi uma gargalhada interior. O quê? Queres que Ele te dê força e ajuda? Palerma!!! Realmente…

Pensei imediatamente: “Tenho a força e a energia para conseguir aquilo que quero na minha vida.” E passada uma fracção de segundo vi-me a chegar à meta dos meus objectivos e Deus do outro lado a sorrir. A olhar para mim e a dizer: “Vês? Para que achas tu que precisas de mim para conseguir seja o que for? Só precisas de ti. – Sorrindo-me sereno – E Vou estar sempre aqui, para celebrar as tuas vitórias, e para partilhar a alegria do meu filho ter atingido a maioridade e ter percebido que a única coisa que precisa é de ele próprio.”

Realmente passamos tanto tempo a pensar e a querer alguém para nos ajudar, para nos resolver os problemas, Deus, Alá, namorado, vizinha, o melhor amigo, pai ou tia, todos servem para nos ajudar. Porque sozinhos não conseguimos… Porque não somos capazes…

Mas afinal quem vos convenceu disso? Querem vir correr comigo?