quarta-feira, 9 de abril de 2008

Guerreiro da Luz

por Bernardo Ramirez

Há já uma vida inteira atrás, ou assim parece visto agora do século XXI, estava com outros alunos igualmente malucos a fazer um Intensive Summer Course na Califórnia Americana. Fui para lá num verão, para investir um dinheiro que tinha posto de parte para o Inter Rail, aprender mais sobre meditação, auras, energia e força de vontade.

Nessa altura já era especialista no difícil e os meus professores diziam que nunca tinham conhecido alunos que fizessem tudo parecer tão complicado. E diziam-me não podes entrar assim de rompante no espaço dos outros. (não conheciam os latinos).

Naquela noite fizemos directa, como acontecia algumas vezes, e participámos todos num peddy-paper. Uma das tarefas envolvia ganhar uma espada de plástico branco fluorescente. Disseram-nos que era a arma do Guerreiro da Luz. E eu quis ficar com ela e veio para Portugal comigo.

Ainda nas Américas, algumas semanas depois deste evento, assisti a um batalha onde presenciei a força dos guerreiros da luz. Uma pergunta pretensamente inocente despertou uma batalha entre o medo de um e a luz de outra (ou foi assim que vi). E nesse instantâneo instante percebi que participava dessa batalha silenciosamente e compreendi o que era ser um Guerreiro da Luz.

Desde que voltei nunca mais pensei muito nesse assunto. A espada foi sendo transferida de armário, em arrecadação, em gaveta e mais não sei quê. E eu relembrando-me do meu papel silencioso e adormecido.

Desde que recomecei a aproximar-me da minha alma (e de a receber de braços abertos no meu ser que age) percebi, como jardineiro, como curadeiro e como ser, que era um Guerreiro da Luz. Somos Guerreiros da Luz. Temos na alma a responsabilidade de trazer a nossa luz ao mundo. De iluminar serenamente o que nos rodeia e quem nos rodeia com a luz de um amor fraterno, generoso e abundante.

A semana passada sentou-se alguém ao meu lado que senti-a muito escura. E em vez de ficar aflito, ou incomodado senti do meu coração brotar uma brilhante luz branca que envolveu tudo o que me rodeava. E o resto foi paz. E desde que aceitei ser o que sou que sinto a responsabilidade acrescida de ajudar a iluminar.

Somos Guerreiros da Luz, com espadas fluorescentes de amor e de centramento, que temos a responsabilidade de sermos os melhores que podemos, de amar o nosso hemisfério direito, e de perceber que somos parte de tudo.

Como me lembrou alguém especial: Eu sou um outro tu.

Nota:
Tirei a imagem no site http://www.matrifocus.com/SAM04/rc-art.htm